segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Dispensação da inocência

A DISPENSAÇÃO DA INOCÊNCIA

“E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem conforme à nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra. E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; macho e fêmea os criou”. Gn 1.26-27


 Deus criou o homem como à coroa e glória de toda a criação, sua própria imagem, para ser ele o regente e cabeça da criação perfeita do mundo edênico.
 Adão foi feito do pó da terra, consoante o Filho de Deus, embora esse ainda não se tivesse encarnado. Cristo iria reinar sobre a criação através do seu representante, o homem (Lc 3.38).
 Havia íntima comunhão entre Deus e o homem, pois notamos que Deus “passeava no jardim pela viração do dia” (Gn 3.8).



 A CRIAÇÃO DO HOMEM.

. “Passeava no jardim pela viração do dia”. Gn 3.8 ( )

• A posição do homem.
 Havia íntima comunhão entre Deus e o homem, pois notamos que Deus (Gn 3.8).
 Deus criou o homem como a coroa e glória de toda a criação, sua própria imagem, para ser ele o regente e cabeça da criação perfeita do mundo edênico. ( )
 O homem foi dotado de inteligência perfeita e capacidade para poder administrar o mundo segundo a mente de Cristo. Deu nomes aos animais, sendo orientado por uma intuição dos propósitos divinos a seu respeito. Dispensava perfeitamente todos os meios comuns da ciência, que são os livros, as escolas e a experiência.
 O homem sabia por intuição e não por processos didáticos. O primeiro homem era perfeito físico, mental e moralmente. Em Romanos 3.23 descobrimos que ele tinha a glória de Deus.

“Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus”.
Rm 3.23



• O surgimento do homem (Gn 2.18-25).
 Nada há definitivo que conteste a existência real da história de Adão e Eva. Todas as objeções em aceitar esta verdade se baseiam em conceitos subjetivos de improbabilidades. Para muitos, Adão e Eva não passam de mitos e fábulas. São seres humanos que querem de todas as formas negar a história bíblica por não desejarem saber a verdade, pois esta pode proporcionar-lhes muitos incômodos. ( )
 Jesus citou o fato da existência de Adão e Eva como real historicamente sem qualquer nuance de dúvidas (Mt 19.4-6).
 A raça humana é oriunda de um único ser, Adão (Rm 5.12)

“Ele, porém, respondendo, disse-lhes: Não tendes lido que aquele que os fez no princípio macho e fêmea os fez”. Mt 19.4


• A respeito da criação do homem (Gn 1.26-28).
 Tanto o homem quanto a mulher foi criação especial de Deus, não um produto da evolução (Mt 19.4. Mc 10.6).
 O homem e a mulher, igualmente, foram criados à “imagem” e “semelhança” de Deus. A base dessa imagem, podiam comunicar-se com Deus, ter comunhão com Ele e expressar de modo incomparável o seu amor, glória e santidade. Eles fariam isso conhecendo a Deus e obedecendo-o (Gn 2.15-17). Eles tinham semelhança moral com Deus, pois não tinham pecado, eram santos, decisão para fazer o que era certo (Ef 4.24). Viviam em comunhão pessoal com Deus, que abrangia obediência moral (Gn 2.16,17). Quando Adão e Eva pecaram, sua semelhança moral com Deus foi desvirtuada ( Gn 6.5). Na redenção, “os crentes” devem ser renovados segundo a semelhança moral original (Ef 4.22-24; Cl 3.10).
 Adão e Eva possuíam semelhança natural com Deus. Foram criados como seres pessoais tendo “espírito”, “mente”, “emoções”, “autoconsciência” e “livre arbítrio” (Gn 2.19,20; Gn 3.6,7; Gn 9.6). Em certo sentido, a constituição física do homem e da mulher retrata a imagem de Deus, o que não ocorre no reino animal. Deus pôs nos seres humanos a imagem pela qual Ele apareceria visivelmente a eles (Gn 18.1.2.22) e a forma que seu Filho um dia viria a ter (Lc 1.35; Fp 2.7; Hb 10.5).
 O fato de seres humanos terem sidos feitos à imagem de Deus não significa que são divinos. Foram criados segundo uma ordem inferior e dependentes de Deus (Sl 8.5)
 Toda a vida humana provém inicialmente de Adão e Eva (Gn 3.20; At 17.26; Rm 5.12).


 AS ALIANÇAS ENTRE DEUS E O HOMEM.

• A aliança edênica (Gn 2.16,17).
 Por essa aliança Deus concedeu ao homem plena inteligência, intuição e capacidade administrativa, pelas quais regeria toda a criação na qualidade de responsável perante Deus.
 Certas obrigações foram impostas ao homem, como: 1) Ocupar a terra; 2) Comer somente de ervas e frutas; 3) Guardar o Jardim do Éden; e 4) Abster-se de comer da árvore do conhecimento do bem e do mal.
 Era necessária essa proibição única, uma vez que o homem tinha livre-arbítrio. A escolha serio o meio de provar essa liberdade. Sua opção de obedecer ou desobedecer a Deus.



• A falha do homem (Gn 3.1-9).
 Depois de certo tempo, entrou no paraíso edênico aquele elemento estranho, “Satanás”, cujo único objeto era introduzir confusão no ambiente de paz.
 Aproveitando-se da serpente, a mais sagaz das criaturas do Jardim, conseguiu o seu intento maligno.
 O ardil usado por ele foi a dúvida que conseguiu introduzir na mente da mulher, por meio de insinuação muito disfarçada. “È assim que Deus disse: Não comereis de toda arvore do Jardim?” perguntou ele. “Será possível que Deus faria uma coisa dessas, proibir a vocês de comer duma arvore neste Jardim?” foi sua interrogação maliciosa.
 Mas Eva não foi obrigada a aceitar essa calúnia venenosa. Ela deveria ter terminado logo a conversa tendenciosa contra a Pessoa do Criador.
 Assim ela, infelizmente, deu ouvido a esse ser abjeto e estranho que maliciosamente falou o Criador, daquele que tudo sustenta, e que é o nosso Amigo. O ato de tomar aquele fruto serviu para provar que ela acreditou na palavra de Satanás e duvidou da bondade de Deus. Essa condição espiritual e pecaminosa o casal transmitiu à sua posteridade, e esse foi o grande pecado de todos os séculos.


• A sorte da mulher (Gn 3.16).
 Além das conseqüências más sobre o casal em geral, a mulher sofreu uma maldição tríplice: a concepção multiplicada, um aumento de dores durante a maternidade e a sujeição ao domínio do homem.

• A maldição sobre a Serpente (Gn 3.14,15).
 A serpente recebeu pior maldição do que qualquer outro animal – foi condenada a rastejar-se sobre o ventre e a comer o pó da terra. Haveria guerra perpétua entre ela e o homem, a serpente lhe feriria o calcanhar e ela lhe esmagaria a cabeça. Entendemos que essa é uma profecia referente a Cristo, que esmagou a cabeça de Satanás, destruindo-o para sempre.

• A natureza humana (Ec 12.6,7).
 De todas as criaturas que Deus fez, o ser humano é incomparavelmente superior e também a mais complexa. Por seu orgulho, no entanto, o ser humano comumente se esquece de que Deus é o seu Criador, que ele é um ser criado, e que depende de Deus.
 A Bíblia ensina claramente que Deus, mediante decisão especial criou a raça humana, à sua imagem e semelhança. Por terem sidos à semelhança de Deus. Adão e Eva podiam comunicar-se com Deus. Adão e Eva tinham semelhança “moral” com Deus, por serem justos e santos, com um coração capaz de amar e também determinado a fazer o que era bom. Tinham semelhança com Deus na “inteligência”, pois foram criados com espírito, emoções e capacidade de escolha.
 Quando Adão e Eva pecaram, essa imagem de Deus neles, foi seriamente danificada, mas não totalmente destruída. Inevitavelmente, a semelhança moral com Deus, no homem, ficou arruinada quando Adão e Eva pecaram; deixaram de ser perfeitos e santos e passaram a ser propensos ao pecado; propensão esta, ou tendência que transmitiram aos filhos.
 A Bíblia revela que a “natureza humana”, criada à imagem de Deus, é trina e uma, composta de três componentes, a saber: “espírito”, “alma” e “corpo” (1 Ts 5.23; Hb 4.12). Deus formou Adão do pó da terra (seu corpo) e soprou nas suas narinas o fôlego da vida (seu espírito), e ele tornou-se um ser vivente (sua alma).
 A alma (hb. Nephesh; gr. Psyche), frequentemente traduzida por “vida”, pode ser definida, de modo resumido, como os aspectos imateriais da mente, das emoções e da vontade, no ser humano, resultantes da união entre o espírito e o corpo. A alma juntamente com o espírito humano, continuará a existir após a morte física da pessoa. A alma está tão ligada à natureza imaterial do ser humano, que, às vezes, o termo “alma” é usado como sinônimo de “pessoa”.
 O corpo (hb. basar; gr. soma) pode ser definido, em resumo, como o componente do ser humano que volta ao pó quando a pessoa morre (às vezes, é chamada “carne”).
 O espírito (hb. ruach; gr. pneuma) pode ser definido, em resumo, como o componente imaterial do ser humano, em que reside a nossa faculdade espiritual, inclusive a consciência. É principalmente através desse componente que se tem comunhão com o Espírito de Deus.
 Desses três componentes, que constituem a completa natureza humana, somente o espírito e a alma são indestrutíveis e sobrevivem à morte, para então seguirem para o céu (Ap 6.9; Ap 20.4) ou para o inferno (Sl 16.10; Mt 16.26).
 Quando ao corpo, a Bíblia ensina repetidamente que enquanto o crente aqui viver, deve cuidar bem do seu corpo, através da sua conversão, isento de imoralidade e de iniqüidade (Rm 6.6,12,13) e da sua dedicação ao serviço de Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário